Conimbriga e Aeminium

Aeminium. Foi desta forma que os romanos chamaram a Coimbra, um nome que ainda hoje é relembrado pela cidade.

Aeminium foi um importante entreposto comercial, a residência dos monarcas D. Henrique e D. Teresa, o local de nascimento do primeiro rei de Portugal, D. Afonso Henriques, e, finalmente, cidade universitária e do conhecimento. A antiga Aeminium deixou vestígios no presente. Um deles é o criptopórtico romano, localizado no Museu Machado de Castro.
Os vestígios mais antigos de Aeminium datam da era romana, quando aquele povo fundou a cidade, em colaboração e sempre protegida pela vizinha Conímbriga, a apenas 16 quilómetros de distância, na localidade de Condeixa-a-Nova.
Contudo, quando os Suevos saquearam e destruíram Conimbriga, em 465 e 468 d.C., os seus habitantes tiveram de fugir para Aeminium, aumentando a população local e ajudando a cidade a prosperar e a crescer.

Ruínas de Conímbriga e Museu Monográfico

Alojamento próximo de Conimbriga - Coimbra

As ruínas de Conimbriga

Aquela que foi uma das maiores povoações romanas de Portugal deixou vestígios e um legado que hoje pode ser aproveitado para conhecer melhor a história do país e da região. Além do facto de Conimbriga ser a estação arqueológica mais bem estudada a nível nacional, é também considerada um Monumento Nacional.
É também em Conimbriga que se situa o Museu Monográfico, onde estão expostos muitos dos objectos históricos encontrados nas escavações arqueológicas que se realizaram naquela antiga cidade romana. O processo de escavações teve início em 1898 e decorreu de uma forma quase contínua, distribuído por trinta e um temas distintos.
O museu foi criado no ano de 1962. Atualmente, este é um espaço exclusivamente dedicado á antiga povoação romana, com uma colecção diversificada, que conta a história daquela antiga civilização, entre finais do segundo milénio antes de Cristo e o século VI da era cristã. Como vê, há muito para conhecer em Conimbriga, mas ainda existem áreas por explorar na zona das ruínas e muito para conhecer, uma missão que continua a cargo do museu e da sua secção de investigação e restauro.

Criptopórtico romano e Museu Machado de Castro

Vista do Criptoportico de Coimbra

Visite a poucos metros da Residencial

E porque não é só em Conimbriga que existem vestígios do passado, também pode aventurar-se pela história de Coimbra, a antiga Aeminium. A melhor forma de o fazer é visitando o Museu Machado de Castro, localizado na parte alta da cidade, perto da Universidade, e que está aberto ao público desde 1913, quando a Câmara Municipal cedeu o espaço à cultura. Em 1965, o espaço, baptizado de Machado de Castro em homenagem a Joaquim Machado de Castro, um dos maiores vultos da história da escultura portuguesa, foi elevado à categoria de Museu Nacional.
O mais importante destes vestígios é o criptopórtico, uma galeria de túneis subterrâneos com vários arcos no topo, construído para suportar o Fórum Romano da antiga Aeminium. Durante a Idade Média, o palácio de um membro do clero foi construído sobre o fórum, edifício que actualmente alberga o Museu Machado de Castro e que esconde o criptopórtico, que pode ser visitado entrando no museu.
A plataforma artificial que suportava a estrutura manteve-se inalterada até aos dias de hoje e permite que, pela primeira vez na história, o público tenha total acesso ao fórum, uma experiência que pode ser enriquecida pelas recentes descobertas.
Além das ruínas romanas, o museu tem muito mais para mostrar, desde a arqueologia à joalharia, passando pela escultura, pela pintura ou pela cerâmica. O espaço Machado de Castro dedica-se ainda a projectos de investigação e à conservação de obras de arte e de vestígios arqueológicos, bem como ao restauro.